Quero um site para o meu moto grupo/moto clube! Rotas da Liberdade Moto Clube Bahia | Motogrupo Salvador Bahia

/ voltar

Velas & Cabos

Conhecendo

Velas & Cabos


Aconteceu conosco e aqui repassamos as experiências vivenciadas recorrendo a Internet como fonte de pesquisa para ampliar os conhecimentos a serem empregados no nosso dia a dia ou em viagens.
 
Já abordamos esse tema em 10/16/2013, conforme pode ser revisto - clique aqui, porém agora abordamos com mais amplitude.
 
Nossas exposições não têm caráter didático, elas são baseadas em procedimentos práticos.
 
O Manual do Proprietário diz para substituir as velas a cada 15.000km rodados. Seguindo o manual, fui comprar as velas no nosso mercado interno. Chegando lá o vendedor me apresentou as velas, informou o preço e me perguntou por que eu queria substituir. Disse a ele que estava seguindo o manual da Motocicleta. Ele então perguntou se minha motocicleta estava com o motor falhando (rateando); se tinha dificuldade de dar ignição; se o motor estava (pipocando) na descompressão; se o consumo de combustível estava elevado; se o motor não “rasgava” devidamente. Eu respondi negativamente a todas as perguntas. Aí a surpresa: ele me disse que estava ali para vender, era o negócio dele, mas eu não precisava comprar as velas para substituir, pois eu rodaria ainda uns 15.000km para ter que substituir. Dei ouvidos a ele porque se tratava de um “cobra criada” em Motocicletas, velho Motociclista dos bons.
 
A partir daí comecei a pesquisar sobre a matéria e, aliado às minhas experiências como usuário de carro e Motocicleta, compartilho o que aprendi ao longo da minha vida.
 
VELA
 
O QUE É
 
A vela é um dispositivo que compõe o sistema elétrico de motores de combustão interna que necessitam de ignição por centelha. Ela fica localizada sob o tanque de combustível, no tampão dos motores, sobre a parte superior do cilindro e necessita de ferramenta específica para removê-la, mas é um procedimento bastante simples, entretanto se deve ter o cuidados necessário ao enroscar a nova vela, preferencialmente lubrificar levemente os fios da rosca.
 
PARA QUE SERVE
 
A vela serve para transmitir a faísca elétrica que sai da bobina e assim inflamar a mistura de ar com combustível dentro da câmara de combustão.
 
COMPOSIÇÃO
 
INDÍCIOS DE DEFICIÊNCIA
 
DEFEITOS E SINTOMAS
 
Dificilmente ocorre a quebra da porcelana, exceto com o manuseio descuidado.
 
Com a ação da queima do combustível, a vela carboniza na área do eletrodo, situação que compromete a produção da faísca ou centelha, prejudicando a queima do combustível.
 
A carbonização ocorre prematuramente devido a má qualidade do combustível ou a queima do combustível “fora do tempo” do ciclo do pistão. Em ambos os casos melhor é substituir a vela e corrigir a causa da carbonização.
 
Não se deve reaproveitar a vela executando as milagrosas limpezas, isso só se faz em situação de emergência, estrada, por exemplo, ou se o dinheiro para compra a vela nova você gastou com a cerveja. Se os eletrodos estiverem aparentemente em boas condições, ou seja, não apresentarem desgastes prematuros, podemos limpar a vela usando o spray K80 e removendo as crostas com um estilete e lixa de ferro 120.
 
 
Por outro lado, a vela tem o seu tempo de vida útil e aí a substituição deve ser feita.
 
 
Após 10.000 km rodados, já é possível perceber diversos sintomas e problemas indicados pelo estado das velas. Vamos descrever os principais e mais comuns de se identificar após remover o jogo de velas. São eles:
 
Desgaste natural
Se o pé do isolador estiver levemente amarelado ou marrom, indica que tudo correu bem durante a vida útil das velas. O motor está em boas condições e o tipo da vela estava correto para este motor.
 
Desgaste natural excedido
Mesmo que o motor esteja em boas condições e que as velas estejam corretas para o tipo de motor, permanecer muito tempo sem substituir as velas irá causar o desgaste excessivo do eletrodo central (erosão). A distância entre os eletrodos fica muito grande e a alta voltagem fornecida pela(s) bobina(s) passa a ser insuficiente para causar a faísca.
 
Sintomas:
- Solavancos do motor, principalmente ao acelerar para ultrapassagens ou em subidas.
- Dar partida no motor fica mais difícil. Demora em pegar.
Corrosão dos eletrodos
Esta situação geralmente é confundida com o derretimento dos eletrodos por superaquecimento. Ao contrário do que parece, este sintoma é causado pela presença de agentes e/ou aditivos corrosivos no combustível ou óleo lubrificante e é comum encontrar depósitos de resíduos que acabam influindo no fluxo de gases. Geralmente também é causado por combustível de má qualidade.
 
Sintomas:
- Solavancos do motor, principalmente ao acelerar para ultrapassagens ou em subidas.
- Dar partida no motor fica mais difícil. Demora em pegar.
Fuligem preta (carbonização seca)
A formação desta fuligem preta e seca, cobrindo os eletrodos e a cabeça da vela, pode ter diversas causas. As principais são: Filtro de ar sujo, afogador com mau funcionamento ou acionado por muito tempo, combustível de má qualidade, carburador ou injeção desregulados (mistura ar-combustível muito rica), motor funcionando em baixa rotação por muito tempo, regulagem do ponto de ignição muito atrasado (faísca atrasada), uso de velas inadequadas (muito frias).
 
Sintomas:
- Dificuldade na partida do motor, principalmente quando ainda estiver frio.
- Motor falha quando em rotação de marcha lenta.
No caso de você ter abastecido com gasolina ruim, fazer o veículo rodar em primeira ou segunda marcha, com a rotação bem alta por alguns instantes pode eliminar as impurezas acumuladas na ponta da vela, se o carro já estiver abastecido com combustível de qualidade. Mesmo assim, é importante revisar a regulagem e os filtros. Trocar as velas por novas, também é uma boa ideia.
 
Sujeira preta e oleosa (carbonização oleosa)
Esta situação indica problemas graves no cabeçote do motor e possivelmente um serviço de retífica será necessário. Os eletrodos ficam cobertos por uma camada de óleo e carvão, o que indica excesso de óleo do motor passando para a câmara de combustão por desgaste ou defeito nos anéis de pistão e/ou guias de válvulas.
 
Sintomas:
- Dificuldade na partida do motor, principalmente quando ainda estiver frio.
- Motor falha quando em rotação de marcha lenta.
Resíduos de Chumbo
Manchas amareladas, principalmente em volta do isolador, indicam muita concentração de chumbo no combustível que NÃO deve ser de boa qualidade justamente por isso. Com o aumento da temperatura na câmara de combustão estes resíduos tendem a tornarem-se condutores elétricos anulando a funcionalidade da vela e causando falhas na ignição (ou seja, na faísca). Nesse caso, nem adianta tentar limpar as velas, pois o chumbo já deve ter-se vitrificado sobre a cerâmica do isolador. Trocar o posto onde você abastece também deve ajudar.
 
Sintomas:
- Falhas na faísca de ignição, principalmente em velocidades mais altas.
 
Outros Resíduos e Impurezas
Aditivos do óleo e/ou do combustível podem deixar resíduos “incombustíveis” (que não são queimados) na câmara de combustão. Estes resíduos pode ser visíveis nos pistões, válvulas, cabeçote e na própria vela. Ocorre especialmente em motores com consumo de óleo acima do normal ou abastecidos com combustível de má qualidade. Limpeza e uma boa regulagem do motor pode resolver o problema.
Sintomas:
- Perda de potência do motor.
- Danos ao motor e cabeçote.
 
Superaquecimento
São vários os motivos que podem causar o derretimento do eletrodo central, fundindo-o parcialmente. Os mais comuns são: uso de velas incorretas (muito quentes), resíduos (sujeira) na câmara de combustão, válvulas defeituosas, ponto de ignição desregulado (adiantado), mistura ar combustível muito pobre, distribuidor com defeito, combustível de má qualidade ou velas mal instaladas/apertadas.
 
Sintomas:
- Perda de potência do motor.
- Falhas na faísca de ignição.
- Danos ao motor.
Eletrodo Central Fundido
O derretimento do eletrodo central pode se agravar por conta do superaquecimento da câmara de combustão, causando trincas e quebras no pé do isolador. As causas ainda são as mesmas mas os danos ao motor já podem ser maiores. Neste caso, será necessário revisar o motor e os sistemas de ignição e alimentação.
 
Sintomas:
- Perda de potência do motor.
- Falhas na faísca de ignição.
- Danos ao motor.
Eletrodos Central e Lateral Fundidos
Neste ponto, a combustão se dá por incandescência, ou seja, não há mais faísca e a alta temperatura faz com que o combustível queime. O uso contínuo de velas e combustíveis inadequados podem fazer as velas chegarem a este estado.
 
Se o motor ainda não quebrou neste ponto, você ainda deverá estar percebendo sintomas como:
- Perda de potência do motor.
- Falhas na faísca de ignição.
- Danos ao motor.
Isolador trincado ou quebrado
Aditivos agressivos adicionados ao combustível podem causar corrosão do eletrodo central e, com o tempo acabar trincando o isolador, assim como muita fuligem de combustão acumulada entre o isolador e o eletrodo central.
 
Também é muito comum que este dano seja causado pelo uso de ferramentas inadequadas na manutenção das velas, por exemplo, usar uma chave de fenda para afastar os eletrodos. Com o isolador quebrado a faísca salta do eletrodo central direto para a carcaça lateral da vela.
 
Sintomas:
- Dificuldade na partida do motor.
- Falhas de ignição.
 
 
Recomendo visitar http://motorsa.com.br/velas-de-ignicao-quando-trocar/
 
TESTANDO A VELA
 
O teste mais simples é para verificar se a corrente elétrica está chegando até a vela. Mesmo sendo simples é preciso ter cuidado, pois a corrente elétrica que vem da bobina é de alta tensão. Se a energia elétrica chega até a vela, o próximo passo é testar a vela.
 
A vela, na sua aparência, pode estar perfeita, mas, vias de regra, você não tem como saber, no “olhometro” se o eletrodo interno está ok.
Supondo que você não tenha à disposição aparelhos específicos, faça o teste manualmente. Retire a vela, conecte o cabo de vela, encoste com firmeza o sextavado da vela em alguma parte do motor (aterramento) e dê a partida. Deverá ocorrer a centelha entre os eletrodos, do contrário a vela está “queimada”. ATENÇÃO: por segurança, utilize um alicate com cabo isolado.
 
 
QUAL A VELA BOA?
As marcas existentes no nosso mercado são boas. A recomendação é que ao substituir a vela o faça por outra da mesma marca e referência daquela que originalmente vem na Motocicleta. Embora os fios das roscas das velas sejam semelhantes entre as diversas marcas, ocorrem diferenças imperceptíveis. Com as constantes substituições, cada uma por uma marca diferente da anterior, poderá ocorrer danos na rosca do alojamento da vela.
Em particular, a minha preferência é a NGK.
 
VELAS IRIDIUM
 
A NGK Iridium IX é uma vela de alto desempenho que tem a característica de anti-carbonização sob qualquer condição de funcionamento do motor, pois facilita a microdescarga secundária que queima o carvão depositado assim que ele se forma.
 
O eletrodo central fino e o corte cônico do eletrodo lateral aumentam a força do campo elétrico formado na região da folga reduzindo a voltagem requerida para o início da centelha. Obtém-se assim, uma melhor partida a frio e respostas mais rápidas durante a aceleração.
No mercado brasileiro o kit com velas NGK Iridium IX (quatro velas) custa em torno de US$ 104,94 (R$ 250,00), já no mercado externo, cuja aquisição pode ser feita através de web sites seguros, o kit custa US$ 49,57 + envio US$ 20,00.
 
CABOS DE VELAS
 
O QUE É E PARA QUE SERVE
 
A função do cabo de vela ou cabo de ignição é conduzir a alta tensão produzida pela bobina ou transformador, até as velas sem permitir fugas de corrente, garantindo uma ignição sem falhas.
 
INDÍCIOS DE DEFICIÊNCIA
 
Lenta ruim
O sintoma mais comum dos cabos das velas de ignição ruins é um motor fraco em lenta ruim. Elas são responsáveis ¿¿pela transmissão da corrente elétrica do veículo para as velas de ignição do motor, onde a corrente elétrica é utilizada para acender a mistura de ar e combustível do motor. Cabos de ignição defeituosos podem inibir o fluxo normal de corrente elétrica, o que pode ocasionar um motor fraco em lenta ruim.
 
Falhas no motor
As falhas no motor normalmente ocorrem como resultado de uma combustão incompleta. Muitas vezes, problemas nos cabos das velas de ignição deixam o fluxo de corrente elétrica para o motor de ignição errático, alternando entre breves períodos de fluxo normal e anormal. O resultado disso são períodos de combustão incompleta, que pode manifestar-se como uma falha no motor.
 
Hesitação do motor
A hesitação do motor normalmente é mais evidente durante a aceleração. É uma condição que muitas vezes resulta do fluxo de combustível para o motor ou condução elétrica anormais. Os cabos das velas de ignição ruins degradam internamente ou desenvolvem rachaduras e quebras em seus revestimentos exteriores. Isso causa interferência elétrica e pode fazer com que um motor fique hesitante caso seja interrompido o fluxo normal de corrente elétrica que vai da bateria para as velas.
 
Potência do motor reduzida
A condução elétrica apropriada é necessária para garantir a combustão adequada e a potência do motor. Qualquer anormalidade no sistema elétrico, incluindo os cabos de vela, pode afetar negativamente suas faíscas, o que irá influenciar a combustão e potência do motor.
 
Os cabos das velas de ignição ruins podem resultar em perda significativa de potência se interferirem no fluxo normal de energia.
 
Motor em alta
Um sintoma comum de problema elétrico é o motor em alta, uma condição que ocorre quando um veículo experimenta breves surtos de corrente elétrica em suas velas de ignição, intercalados com breves períodos em que o fluxo é reduzido ou inexistente. O motor em alta é um sintoma comum quando os cabos estão ruins, especialmente se possuem fissuras ou rupturas em seu isolamento exterior, uma condição que pode criar resistência elétrica e levar a um fluxo elétrico anormal ou completamente parado.
 
(Fonte: http://www.ehow.com.br/sinais-sintomas-problemas-cabos-velas-ignicao-sobre_13463/)
 
O cabo de vela, em razão do tempo de uso, sofre desgastes no fio de cobre que é revestido por borracha ou silicone.
 
TESTE
 
O teste mais simples é para verificar se a corrente elétrica está chegando até a vela. Mesmo sendo simples é preciso ter cuidado, pois a corrente elétrica que vem da bobina é de alta tensão. Se a energia elétrica não chega ou está fraca, a situação pode estar no cabo de vela, do contrário a situação pode estar na bobina.
 
Outra forma de testar o cabo de ignição ou cabo de vela é com o uso de multímetro.
 
Clique aqui e veja um vídeo bastante explicativo de como proceder o teste avaliando a resistência do cabo.
 
CABOS DE ALTA PERFORMANCE
São cabos desenvolvidos com matérias de ponta que oferecem melhor desempenho ao motor, não só diante da qualidade dos materiais como também pela impermeabilidade.
 
Versão para download - clique aqui
 
Autor: Luís Carlos Dantas de Carvalho – Velas & Cabos – Setembro/2013
Aviso legal: Os comentários aqui postados não expressam opiniões ou pensamentos do Rotas da Liberdade Moto Clube ou de seus Sócios, sendo da inteira responsabilidade do autor. 

 


Criação de Sites - Allan Carvalho

Visitas: 4235140 - Online: 20

Site para Moto Grupos & Moto Clubes © 2008 - 2018 AC Criação de Sites